Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
Ser Humano

Pobres seres humanos,
Que têm a lhes servir apenas a linguagem
E os sinais não verbais.
Pobres criaturas,
Fragilizadas pelas asperezas
Do que pensam ser carga demasiadamente pesada para seus ombros.
Pobres seres,
Que sendo universais,
Não se apercebem dessa universalidade,
E vivem a debater-se entre questiúnculas menores,
Que mais lhes subtraem do que lhes acrescentam ao crescimento...
Pobres entidades,
Divididas entre as imposições sociais e os instintos,
Entre os sonhos de liberdade e as algemas da segurança...
Ser humano é padecer no paraíso!
É sonhar com noites estreladas,
E assistir à tempestade que apaga estrelas,
Varre desertos,
Agita oceanos,
Mas não consegue atingir o espírito dos indomáveis,
Que não se quedam a queixarem-se,
Que não se deixam abater,
E que não chamam de destino as próprias incompetências...
Ser humano é transcender muitos planos,
No planisfério da cosmologia universal;
É sacudir mundos, se necessário,
Para que suas idéias sejam levadas em consideração,
É contar com ajuda, mas não depender dela;
É sorrir ao sisudo,
É vislumbrar o caminho à frente,
Magnífico pelo simples fato de estar lá!
Ser humano é perceber as próprias fragilidades,
Mas não fazer planos em função delas;
É ir ao encontro de, ao invés de aguardar um encontro com;
É ter consciência
De que é a somatória de erros e acertos
Em um processo evolutivo que transcende a própria humanidade,
E que conduzirá,
Em função da opção feita por um ou por outro,
Às conquistas inimagináveis, ou a erros decepcionantes...
Ser humano é optar pelo imponderável, que gera vida,
Ao invés de optar pelo imutável, que é, em si, a própria morte;
É estar consciente da conexão que nos liga ao cosmos,
Sem reduzir essa consciência às regras humanas,
E, como humanas, falhas.
Ser humano é perceber o equilíbrio
Que mantém coesas todas as coisas,
É perceber que a natureza, na mais ampla acepção deste conceito,
Fluirá e refluirá,
Como uma gigantesca maré onisciente e onipresente,
E reposicionará o que for necessário
Para que este equilíbrio seja mantido ou restaurado...
Ser humano
É transcender a compreensão de si mesmo,
É ascender para realidades que são, ao fim,
A razão última da existência.
Ser humano é uma bênção,
Um dom,
Cuja recompensa depende da maneira de usá-lo.
 J.B.Xavier


publicado por escorpion às 21:28
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Maio de 2008
Minha cruz...

 

 
      “Achei-a num desvão escuro do caminho e os seus braços me  abriu,
com amor sem assombro.
Tomei-a desde então exausto, sobre o ombro arrasto-a na estrada onde caminho.
Tropeço em cada pedra, e sangro a cada espinho.
Deixo um rastro de sangue.
De escombro a cada escombro, prossigo sem gemer.
Mas seu semblante assombra entre os braços, me aparta a quísa de carinhos.
E hei de morrer assim.
Num laço bem estreito.
Unido rosto a rosto.
Unido peito a peito.
E apertando-a sentindo sobre meus membros nus.
O povo há de dizer, vendo nossos abraços.
Não sei se ele morreu, com uma cruz nos braços.
Não sei se ele morreu.
Nos braços de uma cruz.”


publicado por escorpion às 20:13
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Maio de 2008
Eutanásia do Mundo

Sou um asteróide,
Estou indo de encontro a Terra,
O impacto irá destruí-la
Não sobrará nada de seu planeta mesquinho,
De habitantes mesquinhos,
Que acreditam estar sozinhos
Num universo infinito.
Sou apenas um asteróide,
Não sou do mal,
Apenas sigo o meu destino.
Não fujam, vocês não têm aonde ir.
Eu sou o seu castigo.
Não há porque chorar,
Não há porque lamentar o fim do mundo;
Apenas estou antecipando
O que fazem com vós mesmos.
Não notam que se encontram
Num processo de suicídio gradual.
Poluem seus rios e mares.
Exterminam sua fauna,
Destroem florestas,
Já não conseguem respirar ar puro.
Conspurcam seus filhos,
Destroem sonhos,
Renegam-se uns aos outros
Por raça, nacionalidade ou religião.
Roubam, matam, lutam
Por motivos banais.
Fazem guerra apregoando a paz.
Cometem atrocidades
Para saciar sua sede de poder.
Não há respeito entre os mortais;
Há fome, doenças, dor,
Crianças com armas nas mãos.
Seus corações empeçonhados,
Vertidos em ódio e rancor,
Perecem aos poucos.
Todos já estão desenganados,
Não há mais salvação.
Eu vim trazer o alívio,
Sou o tiro de misericórdia,
A injeção letal, fatal.

Eu sou a eutanásia do mundo!

Crônica de José Marcelo Faria Rodrigues


**************************



publicado por escorpion às 17:24
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Maio de 2008
Arranquei Máscaras (Myrian Benatti)

 
Arranquei máscaras
me despi
lentamente
me entreguei
ofereci minha alma
meus pensamentos
foi difícil
dolorido esta entrega
e você me rejeitou.
Talvez seja um sinal
que máscaras devem existir
pois protegem toda a dor
protege o meu ser.
Durante séculos me tranquei
e quando quis amar
quando percebi que podia
amar
você delicadamente colocou
a minha máscara de volta.
Quantas máscaras terei que vestir, para esconder meus sentimentos?
Máscaras de papéis?
Pinturas, de porcelanas?
Máscaras que pintam a alma?
Máscaras que pintam o rosto?
Qual delas estarei vestindo?
Qual delas preciso mais?
Se me cubro, te magôo.
Se me dispo, me magôo.
Se seus olhos atravessam os meus olhos
E meu rosto continuar impassível,
Você saberá qual máscara estarei usando,
Mas, se uma lágrima cair,
A máscara que uso não é a da alma.


publicado por escorpion às 00:42
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Maio de 2008
Amor Incondicional

 
Terno querido meu, prisioneiro do dever,
tanto amor no peito, meu coração contém.
Doce amor, contudo não é por não te ver,
que deixa de existir este puro afecto, porém.
 
Trancado em teu castelo, sucedem-se os dias, 
e as noites solitárias, decorrem sem cessar,
por teus entes queridos, causas essas magias,
para que na sua vida, nada lhes possa falhar.
 
Todavia esse nobre carácter, que aprendi a amar,
essa alma de eleição, que sempre irei respeitar
e esse coração generoso batendo compassado...
 
...são toda a luz que a minha vida, vem iluminar,
amar-te é a força vital do meu trôpego caminhar
incondicional, o carinho que te faz assim, desejado!
 
(Arlete Piedade - Fada  das Letras)


publicado por escorpion às 17:56
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Maio de 2008
Mãos dadas (Iza)

Queria passear de mãos dadas,
Na longa estrada,
Percorrendo o sem fim.
Queria ter a alegria de braço no braço,
Andar sem sentir.

Queria andar lado a lado
Como dois namorados
Andam sem rumo.

O lado é estar juntos,
Na maneira ideal,
Contato a contato,
Sem avanços, sem atrasos
Somente lado a lado.

Queria ao seu lado estar,
Em seus olhos olhar
E ver sua alma, sua essência,
O seu coração a pulsar.

Queria sentir a magia
De mãos dadas,
Olhar no olhar,
O lado a lado
E de frente ficar.

Queria sentir o seu mundo
entrando em meu mundo
E assim, me fixar.

Queria a sensação de poder
Sermos únicos, sermos juntos.
O tudo e o nada...
O riso e o choro...
A dor e a alegria...
Mas juntos, sempre juntos ficarmos.

E então,
Estar de mãos dadas na rua, na estrada,
Percorrer sem sentido,
Rumar para o mundo,
Ser livre...ficar....

Tudo isso se faz, sempre a dois,
Sempre amor, sempre luz e desejo.
Tudo é questão de querer, questão de mover,
De direcionar.

Vamos....
Enfim entendemos
Que o estar lado a lado,
É sublime, é sereno,
É o corpo e a alma,
O tudo e o nada
Num firme caminhar.

É o mundo irreal,
É a vida real
É a doce ilusão,
É o amor explodindo,
É fonte de vida...
Um só coração!!!


publicado por escorpion às 20:46
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 19 de Maio de 2008
Maldito (Euclides Cavaco)

 

Maldito seja, o mal que há na Terra,
A mentira, droga e inveja aonde impera,
Maldito seja, aquele que faz a guerra
E o nefando que também a prolifera.

Maldito seja, o ódio e o sofrer
Da fome, que em toda a parte existe,
Maldito seja, quem abusa do poder,
Corrupção e injustiça, que persiste !…

Maldito seja, o crime e os criminosos,
Que atentam contra o bem da humanidade,
Cometendo os actos mais horrorosos .

Maldito seja, quem vive da falsidade
E que prospera, só por actos vergonhosos,
Maldito seja, quem nos rouba a liberdade!…
 
Ouça e veja este soneto declamado pelo autor
 clicando no link:
http://www.euclidescavaco.com/Recitas/Maldito/index.htm


publicado por escorpion às 15:56
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 18 de Maio de 2008
V I V E R... (Flávio Horta)

Viver é inventar o seu dia.
É desconhecer a arrogância.
Exalar pura energia!
Fazer poemas de amor.
Devolver sorrisos.
Acreditar que o bem vence o mal.
Sempre!
Enfeitar o coração com cores!
Conquistar amigos e ser sempre
leal e fiel.
Transformar dor em alegria.
Ser amor de coração.
Inspirar justiça.
Viver é correr atrás dos sonhos,
da inspiração, dos projetos.
Buscar o entendimento das coisas.
Ser sempre da paz.
Orar em agradecimento pelas
dádivas recebidas.
Buscar o que te faz bem e
aos outros também.
Amar!
Pintar o mundo com as cores
que te der na telha.
Estar sempre jovem.
Viver é ser sempre verdadeiro.
É constantemente redescobrir
as coisas belas da vida lembrando
que o sorriso é o idioma universal.
Ouvir músicas que acalmem a alma.
Desacelerar e aproveitar o tempo,
cada pequeno momento de prazer.
Viver é simplesmente ver
a vida com o coração.



publicado por escorpion às 17:42
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Maio de 2008
Verdadeiras Palavras

 

“Que angústia na lembrança
De tudo que perdi
Bendita desta saudade
Que ficou de ti
Felicidade em que eu nem creio
E é quase nada... ontem enfim
O seu olhar acaso veio
Pousar em mim
Tudo quando existe
Estraga a figura
Mansa e triste
Tomada de uma loucura”


publicado por escorpion às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 16 de Maio de 2008
Anseio

  

Na incerteza busco o atalho certo
E no horizonte ponto de partida
Navego no mar seco do deserto,
Fazendo das chegadas minhas idas...
 
Trago o meu peito cheio de saudade
Que por maldade ficará comigo;
Do inimigo quero toda amizade
Ter no relento meu fiel abrigo.
 
Buscarei na guerra a razão da paz
E na escuridão, o raio de luz,
Estrela-guia que do céu conduz
O irmão perdido que ficou pra trás!

Tentarei a trégua em todos conflitos,
Visarei no ódio a razão do amor;
Serei alívio na mais forte dor
E o consolo de todos os aflitos.

Quero apagar o fogo que consome,
Ser a esperança de um mundo inteiro,
Sentir repletos todos os celeiros
Sonhar que o mundo não mais passa fome!

 

Autor: Antonio Manoel Abreu Sardenberg


publicado por escorpion às 01:18
link do post | comentar | favorito
|

Fazer olhinhos

 



English Version

pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Faz-me teu Poeta (Emanuel...

Mar Português (Fernando P...

Mãos dadas (Carlos Drummo...

As duas flores

Todos estão surdos

Abraço de Natal

Apenas uma mensagem

Não aprendo a lição

O sol na minha mão

Anjos já amaram e chorara...

arquivos

Outubro 2014

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Meus Amigos
Guerreiro da Luz

Criticando Meio Mundo

Causas e Efeitos

Viajante no Mundo

Cantinho das Emoções

Apenas Assistindo

Um Olhar Feminino

Vida, Verdade, Visão

blogs SAPO
subscrever feeds