Segunda-feira, 29 de Junho de 2009
Louco por um dia (Frank Oliveira)

 

Deixe-se ser louco por um dia,
Faça o que te dê na telha.
Grite, chore, cante, sorria,
Permita-se ser quem você queira.
 
Escute o silêncio da pedra,
Conte segredos ao vento.
Abrace uma árvore sem pressa,
Roube o ponteiro do tempo.
    
Pois a noite sussurra aos loucos
A linguagem das estrelas,
Que observam do topo
Gente normal fazendo besteira atrás de besteira.
 
Então, deixe-se apenas ser louco,
E não ligue para o que o outro acha ou sente.
Façamos algo só pelo prazer de sermos quem somos,
E não o que fizeram da gente
 
A vida passa rápido, é curta.
E acabamos trocando a criança
Com vontade de correr gritando na rua,
Pelo adulto com vergonha.


publicado por escorpion às 19:50
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 23 de Junho de 2009
Libélulas são fadas

 



A libélula de espírito correto ...
Nem parece ser um inseto !
No fundo , ela é uma fada ...
Uma moça alada !

Ela é uma fada encantada ...
Eternamente apaixonada !
Ela encanta qualquer sujeito ...
Com o seu corpo perfeito !

Suas asas são sedas transparentes ...
Mas , muito ardentes ...
Por causa das paixões quentes ,
Proibidas e frementes !

Libélulas  nascem nas lagoas radiantes ,
Cintilantes , brilhantes ...
E raras como diamantes !

Uma simples libélula ...
É uma doce pérola ...
Cultivada no amor ...
Com muito ardor !

Toda libélula lunática ...
Tem uma vara mágica ,
Que realiza qualquer fantasia ...
Em plena harmonia !

Libélulas são ninfas fabulosas ,
Misteriosas e formosas .

(Luciana do Rocio Mallon)


publicado por escorpion às 03:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 20 de Junho de 2009
O Tempo (Paulo Esdras)

 

 

 

O segredo do tempo é consumi-lo sem percebê-lo.
É fingir-se infinito para não o vermos passar
É fazer-se contar em anos em vez de momentos

Relógio, despertador, cronômetro, calendário
Tudo engodo para imaginarmos prendê-lo, controlá-lo

Ampulheta, único instrumento sincero do tempo
Regressivamente, nos impõe a gravidade
De haver realmente um último grão
Riscando na areia a nossa fragilidade

Mas o tempo é imparcial
Não distingue rico de pobre
Preto de branco, homem de mulher
Devora-se sem escolhas

Matar o tempo é matar-se sem sentido
Perdê-lo é viver
em vão

Faz-se devagar nos maus momentos
Depressa quando o queremos

Ponteiro invisível da vida
Peça necessária do fim

A sua fome é insaciável
A sua vontade é determinante
A sua procura é unânime

Se esconde nas sombras que se movem
Nos objetos que não mais servem
Nas pessoas que nunca mais vimos
Na podridão das frutas que não foram colhidas
Nas lembranças já esquecidas

Revela-se nas fotos que se desbotam
Nas cartas que amarelam
Nas crianças que crescem
Nas rugas que aparecem

Deixa-nos a esperança de Pandora
Nas ações dos que virão
No nascimento dos rebentos



publicado por escorpion às 00:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 14 de Junho de 2009
Rir é O Melhor Remédio (gargalhada)

 

 

“O segredo dessa vida é alegria
Que uma simples gargalhada pode dar
Rir é o melhor remédio
Pra acabar com o tédio
Quem não vai gostar
 
A tristeza vai ficar lá fora
E você levanta o seu astral
Dando uma gargalhada
Que não custa nada
É sensacional
 
Tá sempre jovem quem adora dar risada
Não tá com nada quem só sabe resmungar
Vive feliz quem faz sorrir a criançada
Com bom humor o mundo pode até mudar
 
Viva a alegria
Viva a palhaçada
Viva o bom-humor
Viva a gargalhada
 
Hi, Hi, Hi
Ha, Ha, Ha
Que, Que, Que
Qua, Qua, Qua, Ra, Qua, Qua”


publicado por escorpion às 16:05
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 12 de Junho de 2009
Corações

Dois corações se quebram, se partem,
ao perceberem que juntos não mais se satisfazem.
Um nota que o outro não está dando carinho como antes.
O outro nota que o jeito do olhar está diferente.
Os dois se calam.
Longo silêncio.
Tudo continua como se nada estivesse acontecendo.
Mas os corações sabem que as coisas não estão normais.
Os dias passam, as noites em claro demoram a passar,
os pensamentos fervem, as lágrimas caem do olhar;
e nada se resolve.
Como contar?
Um coração não bate com a mesma intensidade de antes...
O outro também não.
Tudo é muito confuso.
O beijo se torna vazio,
o abraço frio,
o olhar seco.
E o silêncio atrapalha, a verdade e o medo incomodam.
A dor.
A tristeza.
Como contar?
Esse momento chegará, sim, e será duro como um momento
no inferno.
E as lembranças...
não se apagarão.
Nunca.
Dois corações que durante tanto tempo juntos encontraram
dias de intensa felicidade,
agora,
separados,
encontrarão dias de intensa agonia.
Estar sozinho nunca é bom,
e a solidão dói.
Hoje, nessa noite tão escura,
um dos corações (o meu)
toma coragem para dizer.
Mas não liga.
Prefere apagar a luz, dorme , sonha.
E acorda, no meio da madrugada, com a lua vagando pelo
céu.
Chora, chora muito este pobre coração.
Vê que esse sentimento não tem fim.
É apenas uma crise, um momento, uma fase.
E passa.
E é exatamente nessa mesma noite
que o outro coração (o dele),
também chora muito.
E também descobre que o sentimento é eterno.
E amanhã,
esses dois corações voltarão aos velhos tempos,
e terão momentos de intensa felicidade.
Por que se amam.

( De Izabella Marcatti Camisasca)



publicado por escorpion às 17:45
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Junho de 2009
Príncipe da Poesia
PRÍNCIPE DA POESIA  é o soneto que nosso amigo poeta participará este ano nas celebrações do dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas espalhadas pelo mundo. No dia 10/06/2009, Euclides Cavaco estará recitando junto ao túmulo de Luís Vaz de Camões, Príncipe dos Poetas do seu tempo.
  Veja e ouça Príncipe da Poesia em poemas declamados  no link: http://www.euclidescavaco.com/

 

 

·         Há mais de 200 nações no mundo mas só duas possuem poemas épicos sobre a sua História: a Grécia e Portugal.
·         Homero (Grécia): Escreveu  dois poemas épicos «Ilíada» e «Odisseia», sobre o povo grego. Era cego.
·         Camões (Portugal) - que também ficou cego do olho direito - escreveu o poema épico «Os Lusíadas», que quer dizer «Os Portugueses», descrevendo quatro séculos da História dos Portugueses. São 8.816 versos e cerca de 55.000 palavras.
 
Ó! sublime Príncipe da poesia
Que epicamente cantas a nossa história
Na epopeia que pomposamente concilia
As proezas duma raça, tão notória!…

Foste herói de passado turbulento
Por amor à Pátria, lá longe foste soldado
Bendito sejas tu no "etéreo assento"
Por tão digno padrão nos teres legado.

Divina e excelsa foi a tua inspiração
Perante a qual se rende um povo inteiro
E te venera com a maior gratidão !…

Foste amante de mil amores, aventureiro
Mas a mais terna e íntima paixão
Foi para ti a Pátria, amor primeiro !…


publicado por escorpion às 01:03
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 2 de Junho de 2009
O amante (José Geraldo Martinez)

 

Eu te espero, senhora,
Devasso, louco e santo,
Com minhas tantas auroras
despertas com meu pranto!
 
Sou, de ti, amante!
Aquele que guardas secreto,
no coração…
Sou para muitos, um errante,
vendedor de pura ilusão!
 
Mas, o que há de ser a vida ,
Se não um grande picadeiro
circense…
O que há de ser o corpo que te entrego,
Se amanhã a morte o leva, de repente,
Como há de levar teu gozo…
Teus murmúrios e gemidos!
O teu trajar glamuroso,
a esconder teus seios atrevidos…
 
E, por que choro, em tantas auroras?
É por ti, cujo mundo cobra tanta postura!
Quando te lembras, vais embora…
Em tua via-crucis, à clausura!
 
E, não voltarão os minutos desperdiçados,
Nos momentos de nossa separação!
Apenas as lembranças de nossos corpos suados,
entregues ao frescor do chão…
 
Ainda que tu não saibas,
seremos de toda uma sociedade,
os culpados!
Mesmo que tu não creias,
Por estes homens julgados!
 
Se ainda duvidas,
cuidado!
Neste século, ainda dos brutos,
Apedrejados!
 
Ainda assim eu te espero,
em minhas auroras perdidas…
Apesar da tua inconstante presença!
És tu, afinal, que o santo profana
e teu corpo o amante,
reinventa!


publicado por escorpion às 01:13
link do post | comentar | favorito
|

Fazer olhinhos

 



English Version

pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Faz-me teu Poeta (Emanuel...

Mar Português (Fernando P...

Mãos dadas (Carlos Drummo...

As duas flores

Todos estão surdos

Abraço de Natal

Apenas uma mensagem

Não aprendo a lição

O sol na minha mão

Anjos já amaram e chorara...

arquivos

Outubro 2014

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Março 2013

Dezembro 2012

Agosto 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Meus Amigos
Guerreiro da Luz

Criticando Meio Mundo

Causas e Efeitos

Viajante no Mundo

Cantinho das Emoções

Apenas Assistindo

Um Olhar Feminino

Vida, Verdade, Visão

blogs SAPO
subscrever feeds